IPTU Campos

Algumas feridas físicas podem cicatrizar com o tempo, mas os traumas psicológicos podem durar uma vida inteira - Janeiro Branco


  • Papo de Psicólogo
  • 16 de Janeiro de 2024 | 08h24
 Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Janeiro, o primeiro mês do ano, não é apenas um ponto de partida no calendário, mas um período que naturalmente inspira as pessoas a mergulharem em reflexões profundas sobre suas vidas, relações, sentidos, passados e objetivos para o ano que se inicia. É como um portal entre ciclos que se fecham e outros que se abrem, proporcionando uma oportunidade única para projetar, escrever e desenhar novas expectativas, desejos e mudanças.

A escolha simbólica da cor branca para representar este momento ressalta a ideia de "folhas ou telas em branco", onde cada um pode criar suas narrativas. Janeiro, portanto, é mais do que apenas o começo de um ano; é uma tela em branco para as aspirações individuais.

Entretanto, as reflexões sobre saúde mental ganham uma urgência ainda maior quando observamos os dados alarmantes apresentados no relatório global anual "Estado Mental do Mundo 2022", encomendado pela Sapien Labs. O Brasil figura como o terceiro país com o pior índice de saúde mental, considerando as respostas de 64 nações. O governo destaca que mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem com depressão, sendo 11 milhões delas no Brasil.

O título "Algumas feridas físicas podem até cicatrizar com o tempo, mas os traumas psicológicos podem durar uma vida inteira" ressalta a importância de reconhecer a dimensão duradoura dos impactos emocionais. Neste Janeiro Branco, a sociedade é convocada a não apenas refletir individualmente, mas a se unir na conscientização e na busca de soluções para promover a saúde mental. É um chamado para que as feridas invisíveis recebam a atenção e o cuidado que merecem, buscando construir um futuro onde a saúde mental seja uma prioridade coletiva.

A questão fundamental reside na natureza invisível dessas feridas. Enquanto uma ferida física pode ser vista, tratada e eventualmente esquecida, os traumas psicológicos muitas vezes permanecem ocultos, ecoando em cada pensamento, emoção e comportamento. São como cicatrizes invisíveis que moldam a forma como interpretamos o mundo, como nos relacionamos com os outros e como enfrentamos desafios.

O tempo, por si só, não é a porção mágica que dissolve essas feridas profundas. A cura demanda esforço, compreensão e, muitas vezes, a busca de apoio profissional. Ignorar essas feridas pode resultar em ciclos repetitivos de dor e sofrimento, afetando não apenas o indivíduo, mas também aqueles ao seu redor.

A aceitação do impacto duradouro dos traumas psicológicos é o primeiro passo para a cura. A empatia consigo mesmo, a compreensão de que a jornada para a cura pode ser longa e a busca por apoio são elementos essenciais nesse processo. Psicólogos e profissionais de saúde mental desempenham um papel crucial ao fornecer ferramentas e estratégias para enfrentar e superar essas feridas invisíveis.

À medida que reconhecemos a complexidade dos traumas psicológicos, é imperativo que a sociedade destaque a importância da saúde mental. Reduzir o estigma associado às questões psicológicas e promover ambientes que encoraje o diálogo aberto são passos fundamentais para construir comunidades mais saudáveis e resilientes.

Janeiro Branco nos lembra: assim como cuidamos do corpo, devemos investir no bem-estar mental, construindo resiliência para toda uma vida.

Um grande abraço, até a próxima postagem.

 

Sérgio Alexandre Sá

Psicólogo

CRP 05/58383

Referências

https://www.tjdft.jus.br/informacoes/programas-projetos-e-acoes/pro-vida/dicas-de-saude/pilulas-de-saude/janeiro-branco-2013-a-primeira-meta-e-cuidar-da-gente-mesmo

https://mentalstateoftheworld.report/wp-content/uploads/2023/02/Mental-State-of-the-World-2022.pdf

https://janeirobranco.com.br

Seja o Primeiro a Comentar

Comentar

Campos Obrigatórios. *