Opinião NF

Opinião NF

08 de Outubro de 2021 | 16h25

Não é futebol, mas vereadores de oposição gostam de jogar para galera


Com o avanço da vacinação e a queda nos indicadores da Covid-19, estamos vendo a retomada gradativa do público aos jogos de futebol e demais eventos esportivos no Brasil. O fechamento dos portões era necessário, mas convenhamos que sem torcida, muito da alma do esporte se perde. Os jogadores se motivam de uma forma diferente, seja com apoio ou com a cobrança. Quem parece que também gosta de jogar para a galera são alguns vereadores de oposição em Campos. Para eles, a arquibancada são as redes sociais e o campo é a tribuna da Câmara. 

Vejamos a polêmica criada sobre a cobrança de impostos e o Programa de Recuperação Fiscal (Refis), para pagamento de tributos em atraso. O prazo para a adesão terminou nesta sexta-feira (8). Alguns vereadores apresentaram indicações – que não possuem poder, apenas recomenda – para que a Prefeitura prorrogasse o período, já sabendo que isso não iria acontecer. Afinal de contas, não existe Refis eterno. 

Apontar as falhas do sistema é necessário e o vereador tem este papel mesmo. Mas do que adianta dizer que está ruim o tempo todo e não colaborar com sugestões para melhorar? Na prática, absolutamente nada. Mas, no gramado, um drible bonito para trás levanta a galera, embora não altere o placar.

O presidente do Legislativo, Fábio Ribeiro (PSD), ouviu as entidades do setor produtivo e levou às demandas à Prefeitura. Na sessão da última terça (5), ele disse que o Executivo está estudando a criação de um novo Refis específico para o IPTU retroativo, por ser uma cobrança nova e que gera dúvidas. É uma ação que, de fato, pode mudar e melhorar o serviço prestado à população. É como se fosse um gol. E, no final do jogo, a galera vibra muito mais com a vitória do que com uma firula.

Paz e amor

Aliás, depois de vários embates quentes nas últimas semanas, a sessão da última quarta-feira foi repleta de... paz e amor! Teve homenagens a vereadores aniversariantes, parentes de parlamentares que passaram a dar nome a escolas e até convite para churrasco. Não faltaram cutucões de cá e lá, mas podemos falar que fomos surpreendidos.

Novo batalhão para a região

O deputado Bruno Dauaire (PSC) e o prefeito de Macaé Welberth Rezende (Cidadania) dividiram por um ano os corredores e a tribuna da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). E a boa relação entre ambos, com apoio do Governo do Estado, trouxe mais uma boa notícia para a região. Na quinta (7), Dauaire esteve no município e, junto com comandantes das forças de segurança, anunciou a instalação do primeiro Batalhão de Ações com Cães (BAC) fora da capital. Será um novo batalhão, com mais policiais e com o reforço especializado para ações em todo o interior.

Oportunidade

Com um aporte de R$ 40 milhões, a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) e a Agência Estadual de Fomento do Rio de Janeiro (Agerio) se juntaram para apoiar o desenvolvimento de projetos de inovação das micro, pequenas e médias empresas fluminenses. Serão selecionados projetos de inovação em três faixas, sendo a faixa A para projetos com orçamento de até R$ 250 mil, a faixa B de até R$ 1 milhão e a faixa C para projetos de até R$ 3 milhões. Os proponentes deverão apresentar suas propostas até 30 de novembro. Esta é a segunda edição do edital "Inovação Rio", que reúne as duas instituições. Na primeira edição, em 2019, foram selecionados 20 projetos de diferentes municípios do Estado. Os interessados podem ter mais informações por este site: http://www.faperj.br/?id=4336.2.6  

Por: Cleyton Lacerda


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.

Quem Sou

Cleyton Lacerda


Arquivo