Campanha site

Vídeo: Delegado fala sobre Operação que apura esquema criminoso de estudantes do curso de medicina em Campos

Dentre outras provas, foi identificado, mediante quebra de sigilo bancário, que os investigados movimentaram valores exorbitantes


  • Geral
  • 26 de Maio de 2022 | 07h37
 NF Notícias
NF Notícias
 Divulgação
Divulgação

O delegado da Polícia Federal Wesley Amato concedeu uma entrevista coletiva para falar da Operação Falso Positivo, deflagrado nesta quinta-feira (26), que apura um esquema criminoso de estudantes do curso de medicina em Campos dos Goytacazes-RJ.

De acordo com a denúncia, os alunos são acusados de falsificar documentos com fins de serem beneficiados com bolsas integrais de estudos. Ao longo da investigação, 12 pessoas já foram indiciadas, entre alunos e pais.

Dentre outras provas, foi identificado, mediante quebra de sigilo bancário, que os investigados movimentaram valores exorbitantes, incompatíveis com pessoa que se disse desprovida de recursos.

— Os estudantes fraudavam documentos, declarações para conseguir as bolsas. Uma das medidas que eles fizeram foi o cadastro no CadÚnico do governo federal, que é utilizado para cadastrar as pessoas de baixa renda. Então eles utilizavam isso na faculdade para se passarem por pessoas de baixa renda — disse.

De acordo com o delegado, os estudantes podem responder pelos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica e estelionato.

 Na ação desta quinta, policiais federais cumprem 16 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Federal de Campos, nas cidades de Campos/RJ, Linhares/ES, Itaperuna/RJ, Cachoeiro do Itapemirim/ES, Mimoso do Sul/ES e São Francisco do Itabapoana/RJ.

Os policiais buscam colher elementos de prova, assim como bens passíveis de arresto de investigados que falsificaram documentos e prestaram declarações falsas para se passarem por pessoas de baixa renda.

Ao longo da investigação, 12 pessoas já foram indiciadas, entre alunos e pais. Dentre outras provas, foi identificado, mediante quebra de sigilo bancário, que os investigados movimentaram valores exorbitantes, incompatíveis com pessoa que se disse desprovida de recursos.

 

 

1 Comentário

Comentar

Campos Obrigatórios. *