Apontado como operador financeiro do "Faraó dos bitcoins" é preso pela PF

Magno foi localizado por policiais da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários da Superintendência da PF no Rio


13 de Outubro de 2021 | 11h30

A Polícia Federal prendeu na tarde dessa terça-feira (12), um dos foragidos da operação Kryptos. Michael Magno, conhecido como corretor das estrelas, foi capturado enquanto trafegava pela rodovia Castelo Branco, em Araçariguama, em São Paulo, conduzindo uma Jaguar.  Michael é apontado como operador financeiro do esquema fraudulento de pirâmide montado por Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó dos bitcoins", preso no dia 25 de agosto.  

Magno foi localizado por policiais da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários da Superintendência da PF no Rio e conduzido à Sede da corporação em São Paulo. Segundo as investigações, o grupo usava investidores em criptomoedas e prometia rendimentos acima do mercado financeiro.

Michael declarou bens e rendimentos não compatíveis com seu padrão de vida. Parte do texto da Receita Federal aponta o corretor como "provável sonegador contumaz". Segundo a PF, ele é ligado ao casal Tunay Pereira Lima e Marcia Pinto dos Anjo, sócios de Glaidson que também foram presos na primeira fase da operação.

Michael Magno tem 30 anos e ficou conhecido há dois ao se declarar como "o empresário que vendia mansões para famosos". Em 2019, com 28 anos, revelou a venda de imóvel de R$ 20 milhões. O corretor também é conhecido por aparecer em fotos nas redes sociais ao lado de famosos e em viagens de helicópteros.

Entre seus clientes estão os atores como Bruno Gagliasso, Eri Johnson e Kadu Moliterno, as atrizes Nivea Stelmann, Rayanne Morais e Juliana Kieling, além da cantora Preta Gil e os jogadores de futebol, Nenê, Henrique Dourado e Giovanni Augusto.

Fonte: ODIA


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.