Queiroga critica exigência da vacina após presidente ser barrado em jogo

Em outras oportunidades, Queiroga chegou a afirmar que a exigência é "totalmente descabida"


11 de Outubro de 2021 | 13h39

Após o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), ser impedido de assistir presencialmentea uma partida de futebol entre Santos e Grêmio,  no domingo (10), por não ter tomado a vacina contra a Covid-19, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reforçou ser contrário à exigência de um passaporte de vacinação para participar de eventos como esse. "Minha posição é a mesma", comentou Queiroga ao chegar ao Ministério da Saúde na manhã desta segunda-feira (11).

Em outras oportunidades, Queiroga chegou a afirmar que a exigência é "totalmente descabida", justificando que fere os princípios constitucionais. "A Constituição, no Artigo 5°, tem como princípio fundamental a liberdade", disse, em outra ocasião.

Desta vez, o ministro foi mais contido no comentário e disse que a exigência perderá a função à medida que a população adere à campanha de imunização e recebe a vacina no braço. "Vamos vacinar toda a população brasileira em breve. Já temos mais de 60% da população vacinada com as duas doses", afirmou, completando, ainda, que o governo federal trabalha com a dose de reforço, com mais de 2 milhões de pessoas.

A discurssão sobre o chamado passaporte da vacina voltou a repercutir depois que Bolsonaro usou as redes sociais para reclamar que não conseguiu assistir ao jogo entre Santos e Grêmio, na Vila Belmiro, neste domingo (10), por não estar vacinado. "Eu queria ver o jogo do Santos. Me falaram que tem que estar vacinado. Por que isso? Eu tenho mais anticorpos do que quem tomou a vacina. Por que cartão, passaporte da vacina?", disse. O clube, por outro lado, afirmou que não foi procurado pela equipe do presidente. 

Interferência de Bolsonaro

Ao chegar à sede do ministério, Queiroga também respondeu sobre supostas interferências de Bolsonaro para barrar a discussão na Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) sobre o novo protocolo para tratar pacientes contra a Covid. O relatório propunha a exclusão dos medicamentos que incorporam o kit Covid nas diretrizes ambulatoriais e sua leitura estava pautada para a semana passada, mas foi adiada, sem nova data definida. 

A justificativa da pasta foi a de que "o coordenador do grupo de especialistas, que está elaborando as diretrizes do tratamento ambulatorial dos pacientes com Covid-19, solicitou que o relatório fosse retirado de pauta pela publicação de novas evidências científicas dos medicamentos em análise". Por isso, o documento só deve voltar a ser pautado após a finalização dos aprimoramentos.

Queiroga negou qualquer interferência como ministro para o tema ser retirado da discussão. "Quem incluiu na pauta fui eu. Lembra quando eu falava em Conitec? Ninguém sabia o que era a Conitec, que já existe há dez anos". O ministro da Saúde disse que a razão para a retirada havia sido informada pela própria comissão. "Tenho outras coisas mais a fazer do que ficar interferindo em câmara do ministério. Tenho que distribuir vacinas para a população, já distribuí mais de 310 milhões", afirmou.

Fonte: R7


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.