Novo Desenvolvimento Econômico

Novo Desenvolvimento Econômico

05 de Agosto de 2019 | 11h00 - Atualizado em 02/08/2019 15h36

UM PORTO DE OPORTUNIDADES


Como falei nos outros bate papos, o Porto se tornou uma bela realidade e hoje vou detalhar um pouco das empresas que se encontram instaladas no local.

Em operação desde 2014, o Complexo do Porto do Açu tem se destacado, cada vez mais, como a melhor opção para a instalação de indústrias e operações do setor de óleo e gás no Brasil. Com 130 km² de área, o empreendimento conta com 13 empresas instaladas, muitas líderes em seus setores: Porto do Açu Operações, Açu Petróleo, BP Prumo, B-Port (empresa do Grupo Edison Chouest), InterMoor, NOV, TechnipFMC, Wärtsilä, Ferroport, Anglo American, Dome, GNA (Gás Natural Açu) e Estação Açu. No primeiro semestre deste ano, o Açu registrou importantes marcos, inclusive com a divulgação de novos contratos e parcerias.

1- Açu Petróleo: Em operação desde 2016, a Açu Petróleo (parceria entre a Prumo Logística e a Oiltanking) realiza operações de transbordo de petróleo em seu terminal no Complexo do Porto do Açu, com capacidade licenciada para movimentar até 1,2 milhão de barris de petróleo/dia. A empresa possui o único terminal privado do país com capacidade para receber navios VLCC (Very Large Crude Carrier), que são os maiores petroleiros do mundo. Somente em 2018, foram 40 operações deste tipo para as petroleiras Galp e Shell, o que representa uma alta de 235% em relação a 2017. Em 2019, já foram mais de 80 operações. Um dos destaques deste ano foram os contratos assinados com a Petrobras e a Equinor. Além disso, a empresa desenvolve projeto para tancagem de óleo em terra, o que, além de proporcionar uma melhor otimização da frota de navios para os clientes,  irá oferecer outros serviços, como armazenagem, dewatering e blending.

2- GNA: Outro marco foi a conclusão do financiamento para a implantação da UTE GNA I, em desenvolvimento pela GNA (Gás Natural Açu), parceria entre as empresas Prumo Logística, British Petroleum e a alemã Siemens. O projeto, previsto para entrar em operação comercial em 2021, é composto por uma usina termelétrica a gás natural em ciclo combinado de 1,3 GW, um terminal de regaseificação de GNL, uma linha de transmissão e uma subestação, que conectará a termelétrica ao Sistema Interligado Nacional (SIN). A UTE GNA I é parte do maior parque termelétrico a gás natural da América Latina. Além da UTE GNA I, a companhia irá construir a UTE GNA II, com 1,7 GW de capacidade instalada. Juntas, as duas termelétricas possuirão 3 GW de capacidade instalada, gerando energia elétrica suficiente para abastecer 14 milhões residências, ou atender a todo o consumo residencial dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.

3- Dome: Vale destacar também a empresa Dome, joint venture entre a Prumo Logística e a GranIHC, que vem reforçando sua vocação para ser um cluster para o

mercado de engenharia e de construção submarina.  A empresa fechou contrato com a TechnipFMC para a instalação no Complexo de uma base de montagem e carregamento de dutos rígidos para o escoamento de petróleo (spoolbase). A base, que começa a ser construída ainda no primeiro semestre deste ano, será um importante ativo para o atendimento da crescente demanda por esse tipo de tubulação. Através desse contrato, a TechnipFMC concentrará no Açu suas operações de fabricação e montagem de tubulações tanto rígidas como flexíveis, constituindo assim no Complexo a sua maior base de operações no mundo para tal finalidade.

4- T-MULT (Porto do Açu Operações): Desde sua inauguração, em 2016, o Terminal Multicargas do Porto do Açu (T-MULT) já recebeu 100 embarcações, somando mais de 1,79 milhão de toneladas movimentadas e se consolidando como a melhor opção para granéis sólidos, cargas gerais e de projeto. Atualmente, o Terminal movimenta coque, carvão, bauxita, gipsita, carga geral e de projetos, além de ter autorização para operar qualquer tipo de graneis sólidos e veículos. A Porto do Açu Operações também está desenvolvendo um projeto para criar a infraestrutura necessária para movimentação de contêineres.

5- Edison Chouest (BPort no Brasil): O Complexo do Porto do Açu conta com a maior base de apoio offshore do mundo, desenvolvida pela Edison Chouest, líder global na operação de bases de apoio logístico para o setor de óleo e gás. Entre os clientes que são atendidos pela empresa estão as petroleiras Petrobras, Petro Rio, Equinor, Perenco e Shell. Hoje, a empresa já conta com nove berços para atracação de navios, que funcionam 24 horas por dia, e que ficam em um terminal coberto e equipado com esteiras rolantes suspensas, que otimizam as operações de carga e descarga, reduzindo tempo e custo. Até o fim do ano, outros seis berços da Edison Chouest estrarão em funcionamento.

6- Estação Açu: Desenvolvido pela Porto do Açu em parceria com a Euro Urbanismo, o Estação Açu é um centro de conveniência com 8 mil m² de área total e investimento de R$ 3 milhões. Com previsão de inauguração para este ano, o Estação Açu será uma área voltada para facilitar a oferta dos serviços que auxiliarão o funcionamento do Complexo do Açu. Entre os serviços prestados no local estão restaurantes e bancos,

Além de escritórios para agentes marítimos, contadores e prestadores de serviços, entre outros.

7- Ferroport: Parceria da Prumo com a Anglo American, a empresa é a responsável pelo Terminal de Minério de Ferro, em operação desde 2014. Com capacidade para 26,5 milhões de toneladas de minério, em 2017 o terminal movimentou 18 milhões de

toneladas. Em 2018, a empresa teve suas operações suspensas, em virtude do vazamento do mineroduto que vem de Conceição de Mato Dentro (MG). Após inspeção técnica ao longo dos 500 km de tubulação e autorização dos órgãos competentes, as atividades foram retomadas no fim de dezembro de 2018.

8- Anglo American: Empresa parceria da Prumo Logística na operação do Terminal de Minério de Ferro do Porto do Açu, a Anglo American detém 50% da empresa Ferroport. A Anglo opera uma mina em Minas Gerais, que é conectada ao Porto do Açu através de um mineroduto de 529 km de extensão.

9- BP Prumo: Parceria da Prumo com a BP, a joint venture é dedicada ao negócio de combustíveis marítimos e detém terminal próprio no Porto do Açu, o Terminal de Combustíveis Marítimos do Açu (TECMA). A empresa importa, armazena e comercializa combustíveis marítimos, sob a marca da BP Marine. Operação iniciada no 1º trimestre de 2016. A companhia atende às demandas de embarcações dos mais variados portes e atividades, como PSVs (Platform Supply Vessels), navios de cabotagem e de longo curso, sondas e plataformas, por combustíveis como diesel marítimo (MGO – Marine Gas Oil) e bunker (IFO – Intermediate Fuel Oil). Em 2018, o TECMA recebeu 12 navios do tipo MR com combustível marítimo importado.

10- National Oilwell Varco (NOV): Líder mundial no fornecimento dos principais componentes mecânicos para sondas de perfuração terrestres e marítimas, a empresa opera sua unidade no Porto do Açu desde novembro de 2014. A unidade tem capacidade para produção de 250 km de tubos flexíveis por ano, além de área para armazenagem e teste de material.

11- TechnipFMC: A empresa instalou no Açu uma unidade de produção de tubos flexíveis, para apoio à indústria offshore, com área para armazenagem e teste de material. Em operação desde novembro de 2014, é a maior unidade da TechnipFMC no mundo e possui capacidade para produzir tubos de até 22 polegadas de diâmetro interno.

12- InterMoor: A empresa, em operação desde dezembro de 2014, oferece apoio logístico e serviços especializados à indústria de óleo e gás. 

13- Wärtsilä: Empresa finlandesa, líder global no fornecimento de motores e prestação de serviços para navios e usinas termelétricas. Inaugurou sua planta de montagem e produção de Grupos Geradores e motores de navio em março de 2015.

 

NEGÓCIOS EM DESENVOLVIMENTO:

- Heliporto do Açu: O Complexo do Porto do Açu irá contar com um heliporto a partir de 2020, com capacidade para abrigar até 20 helicópteros de grande porte e estrutura semelhante à de um aeroporto. Este será o primeiro heliporto privado na região a oferecer serviços completos de embarque offshore. A projeção é de que por mês

 sejam embarcados até 30 mil passageiros. Ele será desenvolvido pelo grupo Aeropart e tem o objetivo de atender ao apoio offshore das plataformas instaladas no Norte da Bacia de Campos e no Sul da Bacia do Espírito Santo.

 

- ZPE: Criada em 2017 por decreto presidencial, a ZPE do Açu está localizada no Distrito Industrial de São João da Barra. Com área de 2 km² e a 10 km do T-MULT, a ZPE contará com infraestrutura viária terrestre para o transporte de diferentes tipos e tamanhos de cargas.  Além de impulsionar as exportações brasileiras, a instalação da ZPE estimula o desenvolvimento de segmentos produtivos locais e regionais. Com isso, o Porto do Açu irá impulsionar a produção brasileira, agregar valor à base exportadora, promover a difusão tecnológica do Brasil e, principalmente, gerar empregos.

 

- Truck Center: A Porto do Açu tem contrato de operação de operação/fornecimento de diesel assinado com a BR Distribuidora (BR) e está em negociação com potenciais investidores. O terminal de triagem de caminhões é um projeto de otimização de filas para os terminais e também para oferecer aos caminhoneiros infraestrutura de suporte à suas atividades. O projeto conta com fornecimento de Diesel, área de conveniência e serviços em geral. A área destinada ao ponto de abastecimento, de aproximadamente 5 mil m², contará com estrutura de tanques para fornecimento de combustível, com venda direta para as empresas instaladas no Complexo Portuário. O terminal de triagem de caminhões terá área inicial de 15 mil m², com 80 vagas para caminhões, prédio administrativo e área de conveniência para os caminhoneiros.

 

- Condomínio Logístico: Condomínio Logístico e Industrial que será instalado no Porto do Açu irá oferecer pátios e galpões modulares, com oferta de serviços compartilhados e opções de serviços pay-per-use. O Condomínio poderá atender a demanda dos

fornecedores e subfornecedores, assim como operadores logísticos e empresas de equipamentos industriais.  Com terreno de 210 mil m², o Condomínio Logístico estará

instalado a apenas 3 minutos dos terminais portuários, e contará com estrada de alta capacidade, preparada para transportar equipamentos dos mais diversos tamanhos.

toneladas movimentadas desde sua inauguração, em 2016, se consolidando como a melhor opção para granéis sólidos, cargas gerais e de projeto.

 

Conheça o T-MULT

O T-MULT possui 14,5m de profundidade, homologação para receber embarcações com calado de até 13,1 metros (que permite a atracação de navios Panamax) e cais de 500m, sendo 340 metros operacionais. Além disso, o terminal conta com 182 mil m² de retroárea, grande pátio de estocagem com até 1 milhão de m² para apoiar serviços de transbordo e capacidade de suporte de solo de até 10 toneladas/m².

 Em operação desde 2016, o T-MULT opera 24 horas, 7 dias por semana. Além disso, já realiza importação/exportação de diversos tipos de carga de projeto, como pás eólicas, caminhões fora de estrada e cargas de O&G (risers, bobinas, árvores de natal para operações subsea, condensadores e turbinas).

Com acesso às principais rodovias brasileiras, e especializado no transporte rodoviário de graneis sólidos, carga geral e de projetos, atualmente o T-MULT já realiza operações integradas (Porto/Armazenagem/Transporte) de importação e exportação nos estados

do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul. Em 2018, o door-to-door foi responsável por 42% do volume movimentado pelo Terminal.

Além das soluções door-to-door, o T-MULT também realiza operações multimodais, utilizando um terminal de transbordo instalado a apenas 300 km do porto. Além desse, estão sendo desenvolvidos mais três terminais integradores em Três Rios, Vitória e Região Metropolitana de BH.

Desde o início de suas operações até o final de 2018, o Terminal Multicargas apresentou crescimento de 96% no volume movimentado. O portfólio de produtos e clientes também cresceu significativamente. Em 2018, por exemplo, foram operados 7 tipos de produtos diferentes para um total de 15 clientes, o dobro do atendido em 2017. Além disso, o T-MULT também atingiu recorde de eficiência de descarregamento de cerca de 22 mil toneladas/dia.

Como podem ver o nosso porto segue em uma crescente impressionante e posso garantir que em poucos anos será a mola mestra para o nosso desenvolvimento local e regional.

Esse é um retrato simplificado do que acontece hoje em São João da Barra,  pois em conversas com amigos do Rio de janeiro e São Paulo , percebo que  poucos conhecem essa realidade.

No próximo bate papo vou procurar focar um pouco na política econômica do Brasil e a perspectiva de crescimento proposta pelo nosso presidente Bolsonaro e o ¨MAGO¨ Paulo Guedes, que nutro uma grande admiração pela sua inteligência e pela forma destemida do falar o que pensa para a plateia e jornalistas, sem estar preocupado em agradar a galera. Gosto disso.

 

Forte Abraço, até a próxima semana, VICTOR AQUINO.


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.

Quem Sou

Victor Aquino

Arquiteto/ Urbanista há 39 anos Sócio do escritório de Arquitetura e Planejamento STUDIO+2 e da ARQHOSPITALAR Superintendente Portuário e Industrial de São João da Barra - RJ victor@arqhospitalar.com.br