20 de Abril de 2017 | 18h40

IMTT estuda implantação de bilhetagem inteligente

A proposta foi debater a implantação, para melhorar todo o sistema e levar maior satisfação, confiabilidade e comodidade ao usuário.


O Instituto Municipal de Trânsito e Transportes (IMTT) realizou nesta quarta-feira (19), em sua sede, reunião com representantes da empresa Tacom Projetos de Bilhetagem Inteligente e de empresas do transporte rodoviário. A proposta foi debater a implantação de bilhetagem no transporte público do município, para melhorar todo o sistema e levar maior satisfação, confiabilidade e comodidade ao usuário.

— O que precisamos é de um sistema que funcione integrado, com segurança e confiabilidade, levando um transporte de qualidade a todos os usuários, que poderão ter à disposição meios de interatividade com os ônibus. Estamos nos reunindo para que todos estejam comprometidos para avançarmos em qualidade que permita maior eficiência no atendimento ao cidadão, seja pelo cumprimento dos horários, seja pela agilidade e quantidade na oferta de veículos de forma adequada — observou o presidente do IMTT, Renato Siqueira.

O diretor comercial da Tacom, Paulo Celso Dantas, falou sobre as vantagens do sistema de bilhetagem eletrônica, existente no Brasil desde 1996 e implantado em diversas cidades do país, como: Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre, Brasília, Maceió e Teresina, por exemplo. Ainda, destacou a importância de investir na implantação do sistema, considerando o porte de Campos, com cerca de meio milhão de habitantes. A empresa já atua com duas empresas que integram consórcios do município. 

— Nas cidades com mais de 100 mil habitantes no país, cerca de 95% já utilizam a bilhetagem com as adaptações mais indicadas a suas especificidades. E entendo que Campos passou da hora de implantar o seu. Trata-se de usar ferramentas avançadas para se ter um transporte de qualidade e que consiga se sustentar — afirmou, citando cidades como Belo Horizonte e Salvador como exemplos bem sucedidos.

A proposta é melhorar a qualidade do transporte, explorando modelos de gestão que possibilitem a dinâmica necessária ao sistema. “O respeito aos horários dos ônibus, por exemplo, atingiu o índice médio de 95% em Belo Horizonte. E em algumas linhas chega a 100%”, citou Dantas.

Um dos pontos de destaque da bilhetagem é a exploração de sistemas de integração de linhas, proporcionando, por exemplo, um custo racional ao usuário que precisa utilizar um, dois ou mais veículos de linhas diferentes. Para isso, o sistema precisa ser integrado, pois envolve controle de: frota, combustível, peças, atendimento aos usuários, disponibilidade de ônibus e arrecadações, dentre outros.

— E quanto às formas de pagamento das passagens, elas podem ser as mais diversas possíveis. Temos um leque de opções, todas muito dinâmicas, inclusive sem a necessidade de utilizar dinheiro em espécie, visto poderem ser feitas pela internet, por computador ou aplicativo de celular e, também, por máquinas de cartão pós-online. O que percebemos é que em pouco tempo teremos pouco dinheiro circulando dentro dos ônibus, é uma tendência forte, que proporciona também segurança. Uma questão a ser tratada é a realocação do cobrador, que tende a desaparecer com o tempo, mas que as experiências demonstram que este profissional tem sido requalificado e aproveitado por meio de programas de desenvolvimento profissional das empresas, por exemplo nos novos postos de trabalho originados pelo próprio sistema de bilhetagem eletrônica — atentou Dantas.

Alguns empresários chamaram a atenção para os controles da gratuidade das passagens para estudantes e para idosos a partir de 60 anos. No caso dos idosos, foi mencionado que muitos usuários se apresentam como idosos sem terem, de fato, a idade adequada. “Isso só acontece aqui, e há muitos anos. No caso dos estudantes, infelizmente, há casos em que se matriculam nas escolas só pra pegar a carteirinha de estudante e viajar de graça, em vários horários ao dia, sem frequentarem as aulas”, disse o diretor de uma empresa. Também, foi mencionado a necessidade do reajuste tarifário, algo que não acontece há anos.

O presidente do IMTT considerou produtiva a reunião, e espera a começar a implantar a bilhetagem no município, em breve. “Foi uma boa exposição para que os empresários do setor comecem a se preparar para esse processo de melhorias de nosso transporte. Também, nesta oportunidade, foi colocado a necessidade para que sejam definidas as etapas para a consolidação do sistema de bilhetagem eletrônica, onde ficou previsto nova reunião, na semana que vem, no IMTT, para que um plano de trabalho ordene as fases desta meta, que é algo que já deveria ter sido feito há muito tempo”, concluiu Renato Siqueira.

 

***SupCom


veja também