Governador agradece empenho do Corpo de Bombeiros em incêndio no Hospital Badim

Aproximadamente 100 bombeiros de nove quartéis atuaram no combate às chamas que atingiram o hospital Badim


13 de Setembro de 2019 | 17h57

O governador Wilson Witzel agradeceu, nesta sexta-feira (13/9), o empenho do Corpo de Bombeiros e demais órgãos e unidades do Governo do Estado que participaram do socorro às vítimas do incêndio no Hospital Badim, na Tijuca, bairro da Zona Norte do Rio.

- Quero agradecer o trabalho heroico do Corpo de Bombeiros e também a todas as secretarias do Governo do Estado que estão participando do atendimento, como, por exemplo, a de Saúde e de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos. Toda a sociedade se mobilizou, inclusive hospitais da rede particular, demonstrando uma profunda fraternidade. Mais uma vez me solidarizo com as famílias e vítimas. O governo estadual está pronto para ajudar a todos que sofreram com esta tragédia – disse Witzel.

A pedido do governador, o vice-governador Claudio Castro esteve no local do incêndio, na noite de quinta-feira (12/09), para acompanhar o trabalho de rescaldo do Corpo de Bombeiros e o atendimento à população.

- Lamento a tragédia que atingiu o Hospital Badim e me solidarizo com todas as vítimas e seus familiares. É nosso dever estar próximo da população em momentos tão difíceis, mostrando que o Estado se faz presente e que trabalha com afinco para dar todo suporte necessário -  ressaltou o vice-governador.

Corpo de Bombeiros

Aproximadamente 100 bombeiros de nove quartéis atuaram, na noite de quinta-feira e na madrugada desta sexta-feira, no combate às chamas que atingiram o hospital Badim e no atendimento às vítimas da ocorrência. A força-tarefa contou ainda com dez ambulâncias da corporação que ficaram à disposição para a remoção das pessoas. Cerca de 90 pacientes precisaram ser transferidos para outras unidades. Entre os hospitais que receberam vítimas estão: Hospital Israelita Albert Sabin, Hospital Municipal Souza Aguiar, Hospital Copa Dor, Hospital Quinta Dor, Hospital Norte Dor, Hospital Caxias Dor e Hospital São Vicente de Paula.

Saúde

Além da Defesa Civil, que atendeu prontamente ao chamado, a Secretaria de Saúde (SES) enviou um total de 15 ambulâncias dos hospitais estaduais Getúlio Vargas, Carlos Chagas, Adão Pereira Nunes e de diversas Unidades de Pronto Atendimento, as UPAs, para o local. Unidades hospitalares do estado também disponibilizaram leitos para pacientes feridos. O Iaserj, que fica a poucos metros do Hospital Badim, também recebeu pacientes da tragédia, que foram estabilizados e transferidos para outros hospitais que não integram a rede estadual.

Outra medida tomada pela SES foi a entrega de cyanokits, medicamento utilizado no tratamento da intoxicação por cianeto (gás tóxico ao sistema respiratório). O Hemorio, Hemocentro do Rio de Janeiro, também está a postos para enviar hemocomponentes caso seja necessário.

Desenvolvimento Social e Direitos Humanos

A Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SedsoDH) disponibilizou equipes de assistentes sociais, psicólogos, advogados e especialistas em Direitos Humanos para atender não só as famílias, mas também funcionários e a direção do Hospital. O auditório da Subsecretaria de Direitos Humanos, na Central do Brasil, foi disponibilizado para atender familiares.

Polícia Civil

Para abreviar o tempo de perícia e identificação das vítimas, a Secretaria de Estado de Polícia Civil reforçou o efetivo de peritos legistas, papiloscopistas, técnicos e auxiliares de necropsia, no Instituto Médico Legal (IML). No local também há uma sala preparada para acolher os familiares das vítimas com o setor de assistência social da Polícia Civil.

A subsecretária de Gestão Administrativa, delegada Gisele Pereira, acompanha os trabalhos no Instituto. Os 11 corpos encaminhados ao IML foram identificados e necropsiados. Todos já liberados para retirada pelos familiares. A investigação está a cargo da 18ª DP (Praça da Bandeira).

Fonte: Ascom

 

 

 


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.