Companhias Docas do Rio de Janeiro visita Centro VTS do Porto do Açu

Visita técnica serviu como benchmark para a Autoridade Portuária


14 de Agosto de 2019 | 14h52

Uma comitiva da Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), Autoridade Portuária que administra os portos do Rio, Niterói, Itaguaí e Angra dos Reis, visitou o Porto do Açu, nesta quarta-feira, para conhecer as instalações do Centro VTS (Serviço de Tráfego de Embarcações). O Açu foi o primeiro porto do país a contar com o sistema que é usado no monitoramento do tráfego aquaviário do complexo desde 2015. O objetivo da Companhia Docas foi absorver a experiência do Porto do Açu na implantação e operação do VTS para levar as melhores práticas de monitoramento para os terminais que administra.

A comitiva foi liderada por Marcelo Santiago Villas-Bôas, responsável pelo Grupo de Trabalho que estuda a instalação do VTMIS (Sistema de Gerenciamento e Informação do Tráfego de Embarcações) nos portos administrados pela CDRJ. O sistema, já em fase de implantação também pelo Açu, é uma ampliação do VTS. Por isso, o interesse de ambas as partes neste encontro de troca de experiências.

“Como primeiro porto brasileiro a contar com o VTS, o Açu é o exemplo ideal para servir de base para nossos trabalhos na revisão dos anteprojetos dos VTMIS dos Portos do Rio de Janeiro/Niterói e de Itaguaí/Angra. A ideia é levantar sugestões para a definição do melhor layout para o nosso Centro de Controle Operacional, identificando os sucessos e os ajustes necessários constatados ao longo da operação do Porto do Açu”, afirmou Villas-Bôas.

Além da visita ao Centro VTS, a Porto do Açu apresentou os serviços prestados por parceiros estratégicos para o funcionamento do sistema atual de monitoramento, tais como a ferramenta de integração de dados, o fornecimento de informações meteoceanográficas e a manutenção dos auxílios da navegação, além do pronto atendimento a emergências.

O gerente de Navegação da Porto do Açu, Mario Rodrigues, reforçou que o Açu é o único porto privado do Brasil a contar com o VTS e que é motivo de orgulho para a empresa servir de exemplo para a Companhia Docas: “É com satisfação que abrimos as portas do nosso Centro VTS para a troca de experiências e expertises com a CDRJ. O VTS é um diferencial para a segurança marítima e, por conta de sua operação ininterrupta, já evitou acidentes e auxiliou a Marinha na divulgação de informações de busca e salvamento”, ressaltou Mario Rodrigues. “A contribuição do VTS para o ordenamento do tráfego aquaviário no Açu também pode ser traduzida em números: no último ano, o sistema possibilitou a realização de aproximadamente 6.300 manobras de entrada e saída de embarcações sem acidentes”, pontuou.

Fonte: Ascom


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.