Paraesporte de Campos tem 100 novos alunos

Projeto da Prefeitura de Campos chega a 1 mil atendidos. A matrícula pode ser feita, de segunda a sexta-feira, na sede da Fundação Municipal de Esportes, na Rua dos Goytacazes.


01 de Abril de 2019 | 12h42

O Projeto Paraesporte de Campos — o maior projeto público esportivo do país voltado para pessoas com deficiência — registrou esse ano 100 novos inscritos, chegando a 1 mil atendidos pela Fundação Municipal de Esportes (FME). Nesta semana, o projeto completa dois anos, mas já acumula várias conquistas, como: desenvolvimento, autoestima,  inclusão social e conquista de títulos intermunicipais, interestadual e até medalhas de prata (AQUI)e bronze (AQUI) das Olimpíadas Mundiais em Abu Dhabi (AQUI). A atividade do Paraesporte é gratuita.

Entre os alunos novos, estão as irmãs Gabriela e Camila da Silva Toledo, 25 e 22 anos respectivamente, deficientes visuais e que fazem judô, dança e natação. “Minhas filhas nasceram com visão,  foram alfabetizadas e aos 10 anos, começaram perder a visão.  No inicio conseguimos pagar aulas de ballet e natação para elas, mas a crise econômica chegou e ficou difícil. Até que procurei o Paraesporte e eles aceitaram as minhas filhas com o maior carinho. Os profissionais são excelentes e tem praticamente um atendimento individual para as meninas, que precisam ter a confiança para desenvolver a atividade”, explicou a professora aposentada Silvia Marcia Faria Toledo. Ela e o marido Áureo Rodrigues aproveitaram o tempo das meninas no Paraesporte e se matricularam para pilates e natação na Fundação. 

Além, da sede da Fundação, o Paraesporte é oferecido em instituições parceiras como: Apae, Apape, Apoe, e  Educandário São José Operário. São oferecidas aulas de iniciação desportiva, natação, bocha, ginástica rítmica, futebol, futsal, vôlei de praia, dança, atletismo.  As inscrições podem ser feitas, de segunda a sexta-feira, na sede da Fundação Municipal de Esportes, na Rua dos Goytacazes, das 8h às 17h. No ato da matrícula, os responsáveis devem apresentar cópia do documento de identidade do aluno e do responsável, comprovante de residência, declaração da escola, duas fotos 3x4 e atestado e laudo  médico.

— É muito gratificante e motivo de orgulho acompanhar o desenvolvimento dos alunos com deficiência, que, há quase dois anos, tiveram a oportunidade de serem inseridos na sociedade, por meio de uma política de inclusão social, defendida pelo prefeito Rafael Diniz — disse o presidente da FME e Embaixador das Olimpíadas Especiais no Brasil, Raphael Thuin. 

Claudinete Gomes da Silva Pessanha  matriculou a filha Caroline da Silva Pessanha, 34, na natação e dança do Paraesporte. “Caroline estuda na Apoe e, antigamente,  fazia atividade física, mas acabou deixando. Ela está ansiosa para o início das aulas”, explicou a mãe, logo após a inscrição. Vitoria Luiza Batista carvalho, 9 anos, está há duas semanas na natação e não falta uma aula. “Nossa expectativa é positiva em relação ao desenvolvimento da Vitória, que é autista. O projeto é maravilhoso e conta com uma equipe comprometida, o que nos deixa como pais mais tranquilos para deixar nossos filhos”, frisou a professora Rafaela Batista Carvalho.

O coordenador do Paraepsorte, Fábio Coboski, destaca que são visíveis os resultados no projeto na vida dos atletas do projeto. "Trabalhamos a inclusão social, por meio do esporte e, nesses dois anos, são muitas conquistas não só nas competições, mas no desenvolvimento de cada um deles: autonomia e autoestima. Ouvíamos relatos de depressão. Hoje, autonomia, felicidade", frisou Coboski.

 

Fonte: Supcom


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.