Dartangan e Trivella confirmam Flávio Lopes como novo treinador do Goytacaz

Na Seletiva, o Goytacaz ocupa a sexta e última colocação com apenas um ponto somado. Para continuar sonhando com a classificação à fase principal do Carioca


08 de Janeiro de 2019 | 12h52

O Goytacaz começou de forma negativa a Seletiva do Campeonato Carioca 2019 com duas derrotas e um empate, em três jogos. Tal retrospecto resultou na demissão do técnico Athirson, na noite do último domingo (6), após o revés para o Resende, por 1 a 0, no Estádio do Trabalhador. Entretanto, o Alvianil da Rua do Gás não perdeu tempo e já se moveu para definir o treinador da equipe para os próximos jogos da competição. O gestor de futebol do clube, Flávio Trivella, agradeceu os serviços prestados pelo ex-treinador e confirmou Flávio Lopes como o novo comandante do Goyta. Uma reunião natarde desta segunda-feira (07/01) com o presidente do Goytacaz, Dartangan Fernandes, definiu o novo rumo do clube.- A gente achou melhor a mudança. Com o consenso da diretoria, o Flávio Lopes, que estava de gerente de futebol, vai assumir como treinador - destacou o presidente Dartangan.

- Decidimos pelo Flávio Lopes. Aproveito para agradecer ao Athirson, sabemos que ele tentou ao máximo, mas os resultados não apareceram - afirmou Trivella. 

Na Seletiva, o Goytacaz ocupa a sexta e última colocação com apenas um ponto somado. Para continuar sonhando com a classificação à fase principal do Carioca, terá que vencer os dois últimos jogos e torcer por uma combinação de resultados. O primeiro dos desafios derradeiros será contra o America, na quinta-feira (10), às 20h. 

 

Fonte: GFesporte


1 COMENTÁRIO


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.


Carlos

09/01/2019 | 12h05
Essa é a triste realidade do futebol. Dirigentes de mentalidade amadora contrata um treinador, forma o time às vésperas da competição e querem que em três jogos, sendo dois fora de casa e outro um clássico local, haja um milagre e o trabalho apareça como por encanto. Futebol não é assim. Há que se ter tempo de trabalho, resultados não vêm da noite para o dia. Agora com o grupo mais entrosado com mais jogos em casa aparece um salvador da pátria. Muito triste essa mentalidade dos dirigentes, que afeta, inclusive, a reputação de profissionais consagrados na histório do futebol brasileiro, como é o caso do ex treinador do Goyta, o Athirson.