Após três anos, Estado do Rio vai voltar a pagar o 13º salário dos servidores em dia

O Palácio Guanabara confirmou que irá depositar o 13º salário deste ano, de forma integral, no dia 18 de dezembro, dentro do ano corrente da folha


06 de Dezembro de 2018 | 08h15

O anúncio do pagamento em dia do 13º salário encerra, enfim, a sequência de atrasos do Estado do Rio quanto ao abono natalino. Será a primeira vez em três anos que o vencimento será depositado no ano corrente ao pagamento. Em 2015, 2016 e 2017, as folhas foram quitadas com atrasos, todas justificadas pelo governo em função da crise de arrecadação que afetou o Estado.

O drama começou em 2015. Apesar de a 1ª parcela ter sido paga em julho, a 2ª parte foi dividida em cinco vezes, repassadas entre dezembro de 2014 e abril de 2015. O Estado ainda abriu a possibilidade de o servidor pegar um empréstimo para “antecipar” a parcela. Já o vencimento de 2016 só foi pago em dezembro de 2017, enquanto que o de 2017 foi fechado em abril de 2018.

O Palácio Guanabara confirmou que irá depositar o 13º salário deste ano, de forma integral, no dia 18 de dezembro, dentro do ano corrente da folha. Segundo a secretaria de Fazenda e Planejamento, terão direito ao abono natalino 201.023 ativos, 164.194 inativos e 87.934 pensionistas. No total, serão 453.151 servidores beneficiados pelo vencimento.

A Fazenda confirmou, também, que a folha custará ao Estado cerca de R$ 1,8 bilhão. Do total da folha, R$ 1,2 bilhão será bancado pela Lei de Refinanciamento de Dívidas do ICMS, o Refis, que abriu margem para acordos com contribuintes inscritos na Dívida Ativa do Estado. O Rio ainda terá receita de R$ 1,3 bilhão pelos próximos 60 meses referentes a acordos do Refis que foram parcelados. Nesta sexta-feira, dia 7, o Estado promete quitar o salário de novembro do servidor.

 

Fonte: Extra Globo


SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Publicação sujeita a moderação;
** Evite a utilização de termos grosseiros e xingamentos através de palavras de baixo calão;
*** Comentários com conteúdo ofensivo e propagandas serão devidamente ignorados.